Caixa enfrenta questionamento sobre liberação de verba após visita de irmão de Bolsonaro

Caixa enfrenta questionamento sobre liberação de verba após visita de irmão de Bolsonaro
O dinheiro é desbloqueado de acordo com a execução das obras.

A integrante do conselho de administração da Caixa Econômica Federal Maria Rita Serrano afirmou nesta sexta-feira (16) que pedirá mais informações ao banco para entender se houve favorecimento ao município de Miracatu (SP), no Vale do Ribeira.

Segundo o jornal O Globo, a Caixa liberou R$ 29,6 milhões para a prefeitura depois que Renato Bolsonaro, irmão do presidente Jair Bolsonaro (PL), esteve na sede do banco, em Brasília, em novembro do ano passado.

De acordo com o jornal, a visita da comitiva à Caixa foi organizada pelo então assessor do presidente da República Mosart Aragão, que disputa uma vaga na Câmara dos Deputados.

À época, Renato Bolsonaro era chefe de gabinete da Prefeitura de Miracatu. Ele deixou o cargo no mês passado para se dedicar às campanhas do PL na região, incluindo a de Aragão.

"Vou pedir esclarecimentos para a área da Caixa responsável pelo gerenciamento desses contratos para entender se houve algo diferente dos demais", disse Maria Rita Serrano, representante dos empregados no conselho de administração.

Em nota, a Caixa afirmou que os recursos são oriundos do Orçamento Geral da União, e que atua como mandatária dos ministérios envolvidos -do Turismo e do Desenvolvimento Regional-, "em exata conformidade com a legislação aplicável".

A instituição afirmou que existem 13 contratos, que correspondem a investimentos de R$ 28,8 milhões. Segundo informações enviadas pelo banco, os ministérios creditaram em conta R$ 5,8 milhões, e o município recebeu, até o momento, R$ 878 mil. O dinheiro é desbloqueado de acordo com a execução das obras.